Todo Dia É Dia de Índio

hotxomã txaywã mê’á txaywã txihi

(“Todo dia é dia de índio” em Patxóhã, idioma Pataxó)
Por que o dia 19 de abril é o dia do Índio?
O dia do índio foi escolhido internacionalmente em 19 de abril de 1940, no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, realizado na cidade de Patzcuaro, no México, com uma efetiva participação de comunidades indígenas. O objetivo do congresso foi debater assuntos relacionados às sociedades indígenas de cada país. Foram convidados representantes de todos os países do continente americano. No Brasil, a data somente foi instituída em 19 de abril de 1943, devido aos apelos e intervenções formulados pelo Marechal Rondon, e no governo do Presidente Getúlio Vargas, foi promulgado o Decreto-Lei nº 5.540, de 2 de junho de 1943, que o tornava obrigatório.
A partir de 2007, iniciou-se uma profunda reformulação na política indigenista do Governo Federal com a reestruturação da FUNAI e a criação da Comissão Nacional de Política Indigenista – CNPI. A FUNAI teve ampliação do seu quadro de servidores e passou a ter atuação regionalizada, respeitando-se as territorialidades indígenas e os contextos regionais. Ao todo são 36 coordenações regionais instituídas.
Hoje, no Brasil, vivem cerca de 460 mil índios, distribuídos entre 225 sociedades indígenas, que perfazem cerca de 0,25% da população brasileira. Este dado aponta somente os que vivem em aldeias. Estima-se que, além destes, há entre 100 e 190 mil vivendo fora das terras indígenas, inclusive em áreas urbanas. Há também 63 referências de índios ainda não contatados, além de existirem grupos que estão requerendo o reconhecimento de sua condição indígena junto ao órgão federal indigenista.
Por que se discute tanto a temática do índio hoje?
Apresentação de dança
A Lei 11645, de 10 de março de 2008, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”.
Aproveitando a ocasião, o MISSÃO recebeu, no dia 12 de abril de 2011, uma visita muito especial: Arassari, Aricuri, Patari e Tuyra, todos Pataxó, residentes na aldeia mãe Barra Velha, no extremo sul da Bahia, no Parque Nacional Monte Pascoal, município de Porto Seguro. Eles apresentaram aos alunos da Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médo, o Projeto Pataxó, “Dia de Índio é todo dia”.
O encontro proporcionou aos alunos, professores e funcionários a oportunidade de conhecer uma cultura até então, distante, só vista nos livros didáticos.
Demonstração de luta

 

O grupo, sob a liderança de Arassari Pataxó, fez uma palestra abordando os seguintes temas: Histórico étnico, Demarcação e ampliação de território, medicina e culinária, educação e meio ambiente, rituais (casamento e rito de passagem), esporte e vivência na aldeia. Além da palestra, todos puderam participar das brincadeiras propostas pelo grupo, com distribuição de peças do artesanato Pataxó.

 

Exposição e venda de artesanatos

 

Após as atividades, o grupo fez uma exposição de seu artesanato, com peças de adorno, artefatos de pesca e instrumentos musicais.
Segundo o líder do grupo, Arassari, um dos objetivos do projeto é discutir uma nova identidade para o nosso  país sem discriminação, sem violência, com igualdade social, respeito e valor às culturas do Brasil.